É inequívoca a importância que os transportes públicos assumem no dia-a-dia das populações, facilitando a mobilidade, racionalizando recursos e despoluindo as cidades. Por isso, e pela atualidade desta temática, hoje dedicarei este artigo ao alargamento do Metro do Porto.

Recentemente, foram celebrados os contratos para as obras de alargamento da linha amarela que vai de Santo Ovídio a Vila d’Este, em Vila Nova de Gaia, e a construção de uma nova linha, rosa, que vai fazer a ligação entre São Bento, Cordoaria/Hospital de Santo António, Galiza/Centro Materno-Infantil e Casa da Música/Rotunda da Boavista, no Porto.

São mais 5,7 quilómetros de linha e sete estações, estimando-se que transporte mais de 33 mil passageiros por dia. No caso de Vila Nova de Gaia, cidade com mais de 300 mil habitantes servida por uma única linha, sempre assumi o compromisso do alargamento da rede e conseguimos, todos juntos, assegurar, para já, a linha amarela até Manuel Leão, Hospital Santos Silva e Urbanização de Vila d’Este. São mais 2,5 quilómetros de um transporte acessível a todos e com um impacto considerável no quotidiano de cada um, tornando a nossa cidade cada vez mais competitiva no contexto metropolitano e nacional.

Finalmente, depois de tantos anos, alguém repôs em cima da mesa a expansão do Metro do Porto. Como Presidente de Câmara, sempre assumi como obrigação encontrar as melhores soluções com os recursos que estão à disposição. Assim, em 2022 teremos uma nova realidade que irá resolver problemas de mobilidade que afetam milhares de pessoas todos os dias mas, para já, a assinatura dos contratos para a elaboração dos projetos de expansão da linha amarela e da nova linha rosa foi mais um momento histórico para Gaia, para a Área Metropolitana, para a região e para o país.

Eduardo Vítor Rodrigues
Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia

Comentários